Guia prático dos impactos trabalhistas causados pela perda de vigência da MP nº 905 de 2019

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Objetivo da MP

A Medida Provisória nº 905, de 11 de novembro de 2019 foi editada tendo como principal objetivo o aumento da empregabilidade. Para tanto, além de instituir o chamado Contrato de trabalho Verde e Amarelo, implantou diversas modificações na legislação trabalhista, em especial da CLT. Em razão de sua extensão e da quantidade de modificações que provocou, chegou-se a afirmar que ela se constituiu em uma Nova Reforma Trabalhista, tão impactante como a que ocorreu em 2017.

 

Início e término de vigência da MP

A vigência de seus dispositivos se deu, em regra, no período compreendido entre a data de 11.11.2019 até a data de 20.04.2020.

 

Período de vigência da MP nº 927 de 2020
Início 11.11.2019
Término 20.04.2020

 

Efeitos gerais da perda de vigência (“caducidade”) da MP

As relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante a vigência da MP conservam-se por ela regidas, pois o Congresso Nacional nunca chegou a editar Decreto Legislativo para discipliná-las de modo diverso. Com isso, os atos praticados durante a vigência da MP e com base nela continuam por ela regidos, conservando a sua eficácia. Desse modo, permanecem válidos os atos firmados sob o império da MP.

O que não se admite, a partir de 20/04/2020, é adoção de qualquer medida então prevista na MP, como, por exemplo, o firmamento de um contrato sob o regime “Verde e Amarelo”.

Como as medidas foram as mais variadas, tornou-se importante destacar os efeitos específicos da perda de vigência (“caducidade”) da MP em relação aos principais pontos por ela disciplinados, conforme adiante explicado.

 

Contrato Verde e Amarelo

Os contratos de Trabalho “Verde e Amarelo” firmados durante a vigência da MP permanecem válidos e devem ser observados até o seu encerramento, ou seja, os contratos não devem ser automaticamente extintos com a caducidade da MP. O que não se admite é um novo ajuste ou uma prorrogação em data posterior à 20/04/2020. E, nada impede que um contrato Verde Amarelo seja convertido em contrato de trabalho por tempo indeterminado, a ser regido pelos moldes tradicionais.

 

Trabalho aos domingos dos professores

A MP revogou o art. 319 da CLT, pelo qual aos professores é vedado, aos domingos, a regência de aulas e o trabalho em exames. Durante o período de vigência não havia impedimento legal para que o professor seja escalado para trabalho aos domingos, tanto para regência de aulas, como para o trabalho em exames, bastando que se observasse a escala de revezamento tratada no § 1º do art. 68 da CLT. Logo, não há nenhuma irregularidade caso o professor tenha trabalhado aos domingos durante a vigência da MP. Mas, com a perda da vigência, reestabelece-se a proibição prevista no art. 319 da CLT.

 

Prêmios

A MP acrescentou à Lei nº 10.101, de 2000, o art. 5ª-A, complementando a regulamentação acerca dos prêmios. Pela MP, os prêmios eram válidos desde que fossem observados os seguintes requisitos: pagamento, exclusivamente, a empregados, de forma individual ou coletiva; que decorram de desempenho superior ao ordinariamente esperado, avaliado discricionariamente pelo empregador, desde que o desempenho ordinário tenha sido previamente definido; o pagamento de qualquer antecipação ou distribuição de valores seja limitado a quatro vezes no mesmo ano civil e, no máximo, de um no mesmo trimestre civil; que as regras para a percepção do prêmio fossem estabelecidas previamente ao pagamento; e que as regras que disciplinam o pagamento do prêmio devessem permanecer arquivadas por qualquer meio, pelo prazo de seis anos, contado da data de pagamento.

Portanto, os prêmios instituídos durante a vigência da MP devem observar os requisitos acima. De todo modo, embora a MP tenha perdido a vigência, recomenda-se aos empregadores que adotem as medidas acima para a instituição de prêmios, pois trazem maior segurança jurídica e diminuem os riscos de passivo trabalhista.

 

Natureza salarial da alimentação

A MP 905 acrescentou o § 5º ao art. 457 da CLT para indicar que o fornecimento de alimentação não possui natureza salarial e nem é tributável para efeito da contribuição previdenciária e dos demais tributos incidentes sobre a folha salarial, independentemente do meio de concessão (in natura ou por meio de mecanismos alternativos, como tíquetes, vales, cupons, cheques ou cartões eletrônicos destinados à aquisição de refeições ou de gêneros alimentícios). Em síntese: o fornecimento de alimentação, por qualquer meio, não integra o salário, para fins trabalhistas, previdenciários ou tributários. Contudo, a Medida Provisória 905 mencionou em seu art. 53, § 1º, I, que a nova regra do art. 457 da CLT só produziria efeitos quando atestado, por ato do Ministro de Estado da Economia, a compatibilidade com as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da Lei de Diretrizes Orçamentárias, o que nunca foi efetivado.

 

PLR

A MP 905 trouxe significativa alteração da alternativa à negociação coletiva com o sindicato, prevendo ajuste de PLR por comissão paritária escolhida pelas partes. Com a caducidade da MP, torna-se indispensável a participação sindical para o ajuste de PLR. Mas, nos casos em que a PLR tiver sido ajustada durante a vigência da MP por comissão paritária, a parcela é válida aos olhos da MP, embora boa parcela da doutrina entenda que é inconstitucional o ajuste de PLR sem a participação do sindicato, por ofensa ao inciso VI do art. 8º da Constituição da República.

 

Regime de trabalho 5 por 1

A MP autorizou para a indústria o regime de trabalho 5×1, regime esse que fica vedado após a caducidade. De todo modo, tal regime já era considerado ilícito pela jurisprudência do TST. O regime 5 por 1 promove um rodízio no dia de repouso, de modo que a cada 7 (sete) semanas coincidirá com o domingo. A jurisprudência o proíbe na compreensão de que a conduta esvazia a norma constitucional de preferência do descanso aos domingos.

 

Trabalho aos domingos e feriados

A MP havia revogado expressamente os art. 6º ao art. 6º-B da Lei nº 10.101, de 2000, bem como os artigos 8º ao artigo 10 da Lei nº 605/49 (Lei que dispõe sobre o repouso semanal remunerado e o pagamento de salário nos dias feriados civis e religiosos). Com isso, o trabalho aos domingos e feriados esteve liberado para todas as atividades no Brasil durante a vigência da MP.

Com a caducidade, torna-se novamente aplicável a Portaria nº 604 de 2019, que “dispõe sobre a autorização permanente para trabalho aos domingos e feriados civis e religiosos a que se refere o artigo 68, parágrafo único, da CLT”.  Traz ela uma infinidade de exceções permitindo o trabalho aos domingos e feriados, como, por exemplo, nas atividades de Indústria, Comércio (entre eles Supermercados e Hipermercados), Transportes, Comunicação e Publicidade, Educação e Cultura, Serviços Funerários, Agricultura e Pecuária.

 

Possibilidade de delegação da atividade de inspeção do trabalho

A MP 905 revogou o art. 159 da CLT. Com isso, durante o período de vigência da MP, não havia respaldo legal para delegação de atribuições de fiscalização ou orientação às empresas quanto ao cumprimento das normas de segurança e medicina do trabalho. Com isso, será nula, por ausência de competência, toda atividade delegada de inspeção, inclusive autuações que tenham ocorrido durante a vigência da MP. Com a sua caducidade, porém, o artigo volta a ter aplicabilidade.

 

Inspeção prévia à instalação de novo estabelecimento

A MP 905 revogou o art. 160 da CLT que impedia o início de atividades em um novo estabelecimento sem inspeção prévia e aprovação de suas instalações pela autoridade regional competente em matéria de segurança e medicina do trabalho. Ademais, quando houvesse modificação substancial nas instalações ou equipamentos, a empresa era obrigada a comunicar à Delegacia Regional do Trabalho (§ 1º do art. 160 da CLT).

A revogação do art. 160 da CLT estava em consonância com as diretrizes de liberdade econômica. Mesmo antes da MP 905, a Portaria nº 915 da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, publicada em 31/07/2019, revogou a NR-2, que tratava da Inspeção Prévia e disciplinava o Certificado de Aprovação de Instalações (CAI). Com a medida, eliminava-se mais um item de burocracia para o início de funcionamento de um estabelecimento.

Mas, com a caducidade, volta a regra do art. 160 da CLT, pela qual nenhum estabelecimento poderá iniciar suas atividades sem prévia inspeção e aprovação das respectivas instalações pela autoridade regional competente em matéria de segurança e medicina do trabalho. E, ainda, nova inspeção deverá ser feita quando ocorrer modificação substancial nas instalações, inclusive equipamentos, que a empresa fica obrigada a comunicar, prontamente, à Delegacia Regional do Trabalho.

 

Novos critérios de dupla visita para inspeção do trabalho

A MP nº 905 de 2019 ampliou as hipóteses de obrigatoriedade de observância do critério da dupla visita. Entende-se por critério da dupla visita a obrigatoriedade, por parte da autoridade administrativa, de visita prévia ao estabelecimento, com a finalidade de, anteriormente à lavratura do auto de infração, promover a instrução dos responsáveis no cumprimento das leis de proteção do trabalho.

Pela MP, eram quatro hipóteses que estabeleciam a garantia da dupla visita, que podem ser assim sintetizadas: a) novidade normativa, durante o prazo de 180 dias, contado da data de vigência das novas disposições; b) quando se tratar de primeira inspeção em locais recentemente inaugurados, no prazo de 180 dias, contado da data de seu efetivo funcionamento; c) quando se tratar de microempresa, empresa de pequeno porte e estabelecimento ou local de trabalho com até 20 trabalhadores; d) quando se tratar de infrações a normas sobre segurança e saúde do trabalhador de gradação leve, conforme regulamento; e) quando se tratar de visitas técnicas de instrução previamente agendadas com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Todas as autuações ocorridas durante a vigência da MP devem ter observado as regras até então vigentes, sob pena de nulidade da fiscalização, pois a inobservância ao critério de dupla visita implica nulidade do auto de infração lavrado, independentemente da natureza principal ou acessória da obrigação (art. 627, § 4º, da CLT).

As regras, contudo, não ensejam mais a nulidade da fiscalização com a perda de vigência da MP 905.

 

Desterritorialização para análise de defesas administrativas

O §1º do art. 634 da CLT, com a redação que lhe deu a MP 905 de 2019,  continha regra no sentido de que a análise de defesa administrativa observará o requisito de desterritorialização, ou seja, ficou vedada a análise de defesa cujo auto de infração tenha sido lavrado naquela mesma unidade federativa, de modo que, a partir da regra, a autoridade a analisar a defesa administrativa, como regra (sempre que os meios técnicos permitirem), deveria ser de unidade federativa diferente daquele onde foi lavrado o auto. Se alguma defesa foi analisada durante a MP sem a observância dessa regra, há espaço para discussão sobre sua nulidade.

A caducidade da MP faz retornar o texto anterior do §1º do art. 634 da CLT.

 

Acidente de trabalho por equiparação

Com a caducidade da MP  905 de 2019, reestabelece-se a regra do art. 21, inciso IV, alínea “d”, da Lei nº 8.213, de 1991, pela qual se equiparam ao acidente de trabalho o acidente sofrido no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado. Mas, os acidentes de trajeto ocorridos durante a vigência da MP não se equiparam a acidente de trabalho, de modo que o empregado não terá direito à garantia de emprego (estabilidade provisória) de 12 meses e o empregador não estará obrigado a emitir a CAT – Comunicação de Acidente do Trabalho. Com isso, o empregado também não faz jus aos recolhimentos do FGTS no período de afastamento.

 

Juliane Facó e Raphael Miziara

 

Trabalhista
Previdenciário
Compliance e Proteção de Dados